7 de julho de 2007

Eu vinha pensando num jeito de dizer isso, quando um comentário da Mônica Mamede veio me incentivar. Sei que vai ser polêmico. Meu romance "As espirais de outubro" narra os últimos dias da brasileira ganhadora do Nobel de literatura, em 2005. Como estou escrevendo uma resenha para o "novo" livro de Orhan Pamuk, "Istambul", tenho pesquisado novamente sobre o prêmio. Todo mundo sabe que há omissões históricas, falhas imperdoáveis. Nem vou citar os estrangeiros, todo mundo tem lá no fundo o seu candidato. Entre os brasileiros, sempre torci pelo Suassuna, acho que ele é o que tem todos os requisitos para ser um vencedor. Além do resgate da cultura de sua terra, escreve como um gênio. Entretanto, duvido que vença porque o problema é que ele é bom demais. Como foram Rosa, Clarice e Machado. Mas agora é que vem a bomba: eu aposto que o brasileiro que vai ganhar o Nobel (e não demorará muito) será o Paulo Coelho. Ele é a cara do prêmio (lá no mesmo nível de Gabriela Mistral e Harold Pinter). Daqui a pouco vou postar um trecho de Nadine Gordimer, para que se lembrem da Flip (eu gostaria de estar lá - alguém me consegue um autógrafo dela?)

3 comentários:

Luiz Alberto Machado disse...

Grande Whisner, quanto tempo, hem? Parabens pelo lançamento do livro. Está nas dicas do Fórum do meu Guia de Poesia. Precisamos conversar. Preciso de um release para a gente divulgar lá no meu Guia de Poesia e nas minhas outras páginas.
Não deixe de ver meus clipezinhos poéticos & musicais no http://www.youtube.com/luizalbertomachado
http://vimeo.com/user217158
e no
http://www.myspace.com/luizalbertomachado
Beijabrações & tataritaritatá!
www.luizalbertomachado.com.br
PS: E vem aí a atualização do Guia de Poesia. E o meu livro "Crônica de amor por ela", que será lançado em breve, para ter uma idéia do seu conteúdo acesse os BLOGS da minha home page.

Monica Mamede disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Monica Mamede disse...

É mesmo triste a realidade literária brasileira, na qual é mais fácil dizer que gosta-se de fulano porque aparece na lista dos mais vendidos do que pela riqueza da escrita de certos autores, tal como cita. E sim, insisto em suas palavras, sempre.

Beijo